Papa Francisco abençoa Rota Jesuítica Guarani e fala em esperança

A Rota Jesuítica Guarani e a esperança foram os temas mais citados, nessa quarta-feira (04), na Santa Sé, no Vaticano. O ministro do Turismo Marx Beltrão e o vice-líder do Governo Michel Temer na Câmara, deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS), foram recebidos pelo Papa Francisco, que fez uma benção e reconheceu a importância da Rota Jesuítica Guarani para o catolicismo e o turismo religioso no mundo. “Não deixe roubar sua esperança”, dizia o Papa Francisco em frase impressa no convite da audiência. “A palavra esperança, aliás, é justamente a que eu mais tenho dito no novo Brasil”, afirmou Perondi, que representou o Congresso Nacional e o Rio Grande do Sul missioneiro na audiência. O Papa concordou e disse que “os brasileiros têm muita esperança”, lembrando da veneração por São Francisco, o “missioneiro da esperança”.

Segundo Perondi, o Papa sabe que o Brasil, como o maior país católico (tem 170 milhões de pessoas batizadas), precisa intensificar o seu turismo religioso. “20 milhões de brasileiros fazem da fé o seu objetivo turístico, mas apenas 30 mil estrangeiros vêm fazer esse tipo de turismo aqui no Brasil. Queremos mais estrangeiros visitando nosso País e a fé cristã é um excelente motivo para que venham”, reforçou Perondi. O turismo religioso movimenta R$ 15 bilhões por ano e gera milhares de empregos. A Rota Jesuítica Guarani, no Rio Grande do Sul, pode se somar a outros atrativos, como o Círio de Nazaré, em Belém (PA), a festa de Padre Cícero, em Juazeiro do Norte (CE), a Paixão de Cristo, em Nova Jerusalém (PE), e as peregrinações a Aparecida do Norte (SP) e Nova Trento (SC). “Estamos trabalhando para desenvolver a Rota Jesuítica e triplicar o número de visitantes com investimentos em infraestrutura turística. Ainda temos muito o que fazer”, completou o parlamentar gaúcho.

A rota Jesuítica Guarani concentra 30 sítios arqueológicos e atrações, distribuídas entre Brasil, Argentina e Paraguai. No Sul do Brasil estão os Sete Povos das Missões, constituídos a partir de 1682, como estratégia criada por padres espanhóis para espalhar a fé cristã e catequizar os indígenas. A atração principal são as ruínas da redução jesuítica de São Miguel Arcanjo, em São Miguel das Missões. Integram ainda a Rota, as reduções de São Francisco de Borja, São Nicolau, São Lourenço Mártir, São João Batista, São Luiz Gonzaga e Santo Ângelo Custódio.

Nesta quinta-feira (05), a comitiva brasileira tem reunião agendada na Opera Romana Pellegrinaggi, onde funciona o Conselho de Turismo do Vaticano. O encontro será com o Monsenhor Remo Chiavarini.

 

Texto: Fábio Paiva

Fotos: Paolo Todaro/Servizio Fotografico – L’Osservatore Romano

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *