Perondi: “Vamos continuar trabalhando”

O presidente Michel Temer reuniu, no Palácio da Alvorada, nesse domingo (21), seus ministros e lideranças de todos os partidos da sua base de sustentação política, quando reiterou que vai resistir, não vai ceder às pressões e sim enfrentar a crise gerada pela delação dos irmãos Batista, donos do Grupo J&F. Segundo o deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS), primeiro vice-líder do Governo na Câmara, a reunião foi muito boa, com um Michel Temer firme, e que mostrou uma base unida, sólida e pronta para retomar as votações no Congresso Nacional já nesta semana. “Vamos continuar trabalhando”, disse, referindo-se às 16 Medidas Provisórias que aguardam na pauta – a maioria com prazo de validade no limite.

Segundo Perondi, Michel Temer reconheceu que foi ingênuo ao receber Joesley Batista no Palácio do Jaburu. “Mas este é o estilo do Presidente, que recebe muita gente, inclusive parlamentares e jornalistas, depois do horário de expediente, à noite. Não tenho dúvida de que o Presidente caiu numa emboscada de opositores das reformas trabalhista e previdenciária. São grandes corporações que vêm atuando para evitar as reformas e a perda de privilégios, como o próprio Ministério Público Federal e a Ordem dos Advogados do Brasil – OAB”, disse.

Os indícios de manipulação e edição do áudio da conversa de Temer com o Joesley Batista deram novo alento e fôlego ao Governo, tanto que partidos que haviam desembarcado do Governo, no primeiro momento da crise, já estão retornando, como o PPS e o PTN. Segundo perícias contratas pelos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de São Paulo, existem entre 14 e 50 edições ou interrupções na gravação, o que a coloca sob suspeita.

Para Darcísio Perondi, é lamentável que o áudio entregue pela Procuradoria Geral da República ao Supremo Tribunal Federal não tenha sido periciado. Documento oficial da PGR reconhece que o áudio foi analisado de forma preliminar e superficial, ouvido por dois técnicos, sem auxílio de equipamentos especializados na avaliação de sua integralidade.

Ainda segundo Perondi, o Brasil está sofrendo prejuízos incalculáveis com as delações dos irmãos Batista, nitidamente beneficiados pela crise. Além de lucrar uma fortuna, cerca da R$ 260 milhões, com a compra e venda de dólares e de ações do próprio grupo 24 horas antes da crise (as operações estão sendo investigadas pela Comissão de Valores Mobiliários), o acordo para a delação premiada, fechado com o Ministério Público Federal, prevê imunidade completa para os dois. Eles não podem ser presos e condenados e estão livres para viajar para onde quiserem, sem retenção de passaporte, apesar de assumidamente terem cometido diversos crimes. “Esse acordo é muito suspeito. Esses gangsters, esses bandidos estão livres e deixaram o país com um enorme prejuízo financeiro. Nós, o povo brasileiro, é que teremos de administrar o caos da irresponsabilidade criminosa dos irmãos Batista”.

Darcísio Perondi acredita que a crise, iniciada na última quarta-feira, já está sendo superada. “O balão da crise está murchando e isso ficou claro nas fracas manifestações ocorridas em várias capitais no último domingo. O povo já sente o início da melhora do País e quer um Brasil em paz e com esperança”, afirmou.

 

Texto: Fábio Paiva

Foto (Marcos Corrêa/PR)

Foto (Marcos Corrêa/PR)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *