União de forças políticas, empresariais e sindicais deve viabilizar usina termelétrica de Rio Grande

O deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS) está empenhado em viabilizar o projeto de instalação de uma usina termelétrica a gás natural no porto de Rio Grande (RS). Trata-se de um projeto estruturante cuja concorrência havia sido ganha pela empresa Bolognesi em 2014. Sem conseguir cumprir os prazos, o contrato foi cancelado pela Agência Nacional de Energia Elétrica. A ANEEL analisa agora a possibilidade de outra empresa, a gigante norte-americana New Fortress Energy, se habilitar e assumir o projeto. Em duas reuniões promovidas pelo deputado Perondi em Brasília, primeiro com o ministro das Minas e Energia, Fernando Coelho, e depois com diretores da ANEEL, a New Fortress reforçou sua intenção e aguarda um sinal verde da agência.

Das reuniões participaram, além de Perondi, o governador José Ivo Sartori, o prefeito de Rio Grande Alexandre Lindenmeyer, senadores, deputados federais e estaduais, diversas lideranças empresariais, sindicais e políticas do Estado, vereadores, além de representantes da empresa norte-americana. O governador Sartori, inclusive, se comprometeu a conceder com rapidez todas as licenças para que o projeto saia do papel.

Segundo Darcísio Perondi, a instalação do projeto integrado em Rio Grande vai representar R$ 450 milhões a mais de ICMS por ano para os cofres do Estado. Além disso, o Rio Grande do Sul vai multiplicar sua capacidade de receber gás. “Os americanos vão investir recursos próprios. O gás é o principal produto da indústria e vai atrair novos investimentos e novas indústrias para Rio Grande e toda a região Sul, principalmente, gerando emprego e renda”, afirmou. O presidente Michel Temer foi apresentado ao projeto pelo deputado Darcísio Perondi, que é vice-líder do Governo na Câmara. Segundo o parlamentar, Temer disse que o projeto é importante e que tanto o Estado quanto a União não podem perder esses investimentos externos.

“Duas reuniões maravilhosas. O governador José Ivo Sartori foi um líder, foi gigante e a luta avançou. Aumentou a esperança. Ficou claro que a Fortress tem potencial financeiro para assumir a empreitada, tem US$ 7,5 bilhões em caixa para projetos como o de Rio Grande. A ANEEL vai analisar com cuidado. O Rio Grande do Sul pode ficar independente em gás e energia. O Estado precisa desesperadamente desses investimentos e a cidade de Rio Grande também. Saímos com esperança e vamos continuar trabalhando forte”, destacou Perondi.

A ANEEL tem que tomar uma posição definitiva até 20 de dezembro, quando o Governo Federal vai promover um novo leilão do setor elétrico. A Fortress já entregou 600 páginas de documentos e aguarda uma posição da agência reguladora. O investimento da empresa norte-americana será de US$ 1 bilhão. Vai gerar 2.400 empregos diretos e outros cinco mil indiretos. Quando estiver pronta, em 2021, a usina vai responder por mais de um terço de toda a energia produzida no Estado e promover um desenvolvimento superior a US$ 10 bilhões em novas indústrias. “Este investimento vai significar uma nova GM no Estado e a independência definitiva em gás”, completou Perondi.

 

Texto e fotos: Fábio Paiva

Reunião com ministro de Minas e Energia:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Reunião com diretores da ANEEL:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *